Nem tudo são flores.




Este mês, o Pacto pela Vida, programa de segurança pública do governo do estado, completou dois anos e meio. O Pacto, como é público e notório, traz uma série de projetos – 138 ao todo – e metas. A maior parte não saiu do papel.
 
O ponto central, porém, sempre foi a promessa de uma redução de 12% ao ano no número de homicídios no estado, que é um dos mais violentos do Brasil.
 
No primeiro ano, o governo passou longe de alcançar a meta, o mesmo acontecendo no segundo. Em 2009, pela primeira vez, ela será atingida. É claro que há o que se comemorar. Não somos irresponsáveis e nem fazemos oposição a todo custo. Qualquer vida salva é motivo de se festejar.
 
No entanto, o discurso do governo continua escorregadio. Nos primeiros anos, quando não cumpriu o que estipulou, manipulava números, inventava novas “óticas” de se analisar as estatísticas, tentava de tudo para dizer que o Pacto estava funcionando.
 
Agora, obviamente, abandou as firulas e solta rojões como se o problema estivesse solucionado. Não está.
 
Mais polícia militar na rua e um programa que define resultados cobrados com rigor aos delegados e policiais é a base que está por trás da redução. No entanto, praticamente 3/4 do Pacto foi praticamente abandonado pelo governo.
 
O sucateamento de diversas delegacias em todo o estado é um exemplo disso. É só conferir as fotos acima, feitas por nossa assessoria neste mês, para ver as condições precárias e a realidade do dia-a-dia de quem combate o crime.
 
Outro problema ainda longe de ser resolvido, a superlotação das prisões, continua – consta no Pacto a promessa de pelo menos mais 4.000 vagas prisionais até o fim do mandato.
 
A Polícia Civil, ao contrário da Militar (mais visível) foi deixada de lado. Faltam agentes e equipamentos. Delegacias da capital, por exemplo, fecham à noite e nos fins de semana – como se não acontecessem crimes nesses dias e horários. A justificativa do governo? Falta pessoal. Sim, falta. E o pior é que há em torno de 1.900 concursados aprovados na reserva, que simplesmente não são chamados. O déficit da PC gira em torno de 4.000 vagas.Em paralelo a isso, o tráfico, sobretudo o de crack, avança assustadoramente, tendo se tornado um dos maiores problemas sociais da atualidade. E não há nada de palpável sendo feito, exceto alguns números tímidos de apreensões de drogas.
 
No mais, tudo é opaco. Os números de outros crimes, como assaltos, seqüestros etc., só são divulgados nas audiências. Não se sabe o real orçamento do Pacto. Informações simples, solicitadas pela sociedade civil, nunca foram respondidas.
 
Não há dados disponíveis sobre a questão de jovens em situação de risco. Sobre a Funase, antiga Fundac, nada foi divulgado. A violência contra a mulher tem crescido.
 
Que o governo comemore ter atingido a meta, mesmo que apenas no fim do seu terceiro ano de gestão, isso pode ser entendido. Não dá é para achar que a violência acabou - quase 4.000 pessoas já morreram este ano no estado - e que o Pacto é uma maravilha.
 
Vamos continuar cobrando. O Pacto pela Vida virou uma peça de ficção. Os resultados foram positivos pela primeira vez, mas isso está longe de ser o paraíso que o governo tenta mostrar. Ainda se mata, e muito. A população continua com medo de sair às ruas.
 
Há muito a ser feito. O fato é que Pernambuco permanece sendo um dos estados mais violentos da federação.


Por Deputado Augusto Coutinho.

Artigos

Polícia militar cobra ação da polícia civil

Insuportável

DP abaixo da media nacional

Sem estrutura, efetivo e perícia do IC

Carta de um Policial ao Bandido

Nem tudo são flores

Rádio Relax fm Rádio Guarany am Rádio Jornal am Midia online
 

=> Do you also want a homepage for free? Then click here! <=
Pesquisa personalizada
-